01/10/2007

Não mais

Resquício das lágrimas vertidas intencionalmente para obstruir teus passos, submergir a resolução e dissolver o tempo. Assim ficaria em ti, se fosse possível. Em teu corpo, um mosaico de apelos. Factais de tristeza.

O fenecimento do lampejo nas retinas de minhas janelas - brotado efemeramente no horizonte - para que vislumbrasse a ausência, lugar de tua morada, não compreendi. Segui adornando de quimeras o que não mais era.

Do querer insano, resíduos recheando a lacuna de teus contornos restará. E também o eco dos gemidos de dor a contaminar os orifícios auditivos que levaste. Riscarei tua carne - diariamente - com o fio de cabelo que grudou na roupa que vestias e não perderá meu vulto nos anseios que tiveres.

Assim, tatuarei a saudade no lado esquerdo de teu peito, plantando a vontade na memória. Retornarás pela mesma estrada - construindo atalhos que encurtem o caminho - só para que o tudo de ti encontre o nada de mim.

É que vazia e despedaçada, iniciei a colagem do que me restou abandonada. Quando chegaste, meu olhar não reconheceu a face antes tão querida e os fragmentos que deixei contigo, não mais se encaixam nessa forma que montei só para me encontrar depois de me perder em ti, meu desgosto.



Imagem: Teresa Zafon

18 comentários:

PAULO SANTOS disse...

alguns de nós...conseguem entender na pele tuas palavras....

e mais não digo...para evitar um diluvio no rosto....

Um beijo

Paulo

ro disse...

um dia me ensina a escrever assim?

Fernanda Passos disse...

RO:
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!
Tá gozando da minha cara né mestra?
Fala sério! Tu já aprendeu, eu não.

Lindona.
Smackkk.

o amnésico disse...

Desculpe entrar assim no assunto, mas eu entendi direito? Você (ainda?)"não aprendeu" a escrever?!

Imagine quando aprender! ;)

Entre o tudo e o nada, um maravilhoso torvelinho de emoções! Lindo!


Ah, posso contar um segredo?
Aquilo no meu blog foi um exercício de imaginação, eu não acredito na morte, sabe? Um dia ainda escrevo sobre isso...

Beijos, poetisa!

PAULO SANTOS disse...

Sem ironia alguma!
Sinceridade!!!! Foi completamente sincero!

Um beijo para ti!
è sempre um prazer a tua visita no InteriorNorte!

Poliedro disse...

Terna Amiga:
Fala com o coração nas mãos. Presente. Indispensável ao ser e ao sentir.
Admirável e deslumbrante.
Encadear de palavras profundas e belas.
Adorei!
Beijos de pura e terna amizade sentida
pena

blá blá blá disse...

é Fernanda a poesia da estrela é qq coisa. é simples no seu duplo sentido e eficaz na menssagem. diz tudo com pouco.
este texto é teu? gostei, é muito rico

beijinhos
Kerubina

Ácido Poético disse...

Moça, suas palavras têm essência pura. Gritam caladas, escancaram o sentimento. Assim que tiver um tempo, vou te linkar no meu Ácido. Posso?
Então tá.
Um beijo beijo
Brunø

Bina Goldrajch disse...

Linda, lindo... porém triste.

Isaque Viana disse...

olá, Fernanda!
Obrigado pelo comentário lá no blog. Mesmo.
Rapaz, gostei muito do seu blog.
Acho que este teu endereço também deveria se chamar "poesia na veia" ou quem sabe o "poesia na veia 2".
Enfim,
pura poesia.

Parabéns.
até.

nota: vou "linkar" seu blog.

ACANTHA disse...

Um mosaico de dor perfeitamente detalhado, FERNANDA...

Edson Marques disse...

Fernanda,

hoje vim aqui te ler as prosas - que são poéticas até o fundo da própria alma!


Abraços, flores, estrelas..


.

Rafael disse...

Palavra na pele. Muito forte.

[sim, to passando aqui ^^]

inutilia sapiens disse...

gosto demais daqui!
você escreve bem demais!
besos.
=)
adoro suas visitas no blog!
adoro a foto na exibição!

benechaves disse...

Oi, linda: palavras que rasgam! E dilaceram. Na inquietude de uma leitura ou releitura. Na imensa vontade de um prazer.

Beijos rasgantes...

Cel França disse...

Fernanda,que textos fantásticos, fiquem tempos perdida te lendo,fabuloso!adorei tudo!voltarei mais vezes para te ler!grande abraço!
p.s.:obrigada pela visita!

Xico Rocha disse...

Fernandinha, desculpa a intimidade internautica. Garota muito lindo o que voce escreveu, sua veia poética retrata tua alma romantica.
Te comprei assim, e acredito que tens uma alma lusitana no sentido do afeto.
Herdamos este lado passional do portugueses,o que acho muito bom, vá em frente.
Bjs.
Rocha

Poliedro disse...

Doce e Terna Amiga:
As palvras saem e formas frases de requinte por vezes difíceis de captar a mensagem real. A irrealidade bela e pura de si merece por completo, não "Não mais", mas tudo.
Penso que o nada de si é tudo e, o tudo, dos outros são o nada deles.
Penso que este trocadilho compreenderá e dará vida feliz merecida ao tudo que revela e é.
O seu carinho, dedicação e encanto são profundos sentimentos que admiro humildemente em si.
Parabéns!
Beijos de amizade, ternura e estima

pena